Abstract

As águas residuais urbanas e industriais são frequentemente descarregadas em zonas costeiras através de exutores submarinos, que promovem a sua diluição no meio receptor, no sentido de reducir o impacte ambiental. A previsão desse impacte com elevada precisão é ainda difícil, debido à complexidade das asções físicas, químicas, bacteriológicas e hidrodinámicas intervenientes, pouco conhecidas. Nos útimos anos, varios esforços têm sido levados a cabo no sentido de melhorar as formas de monitorização do efluente descarregado. As técnicas tradicionais de recolha de dados são habitualmente dispendiosas e não permitem una cobertura satisfatória da dispersão da pluma. Os veículos submarinos autónomos (VSAs) têm sido usados com elevado sucesso neste tipo de monitorizção. Pela sua flexibilidade e eficiencia no proceso de recolha de daos constituem uma tecnología de vanguarda com enorme potencial para monitorização de rotina. Neste artigo começamos por descrever a composição habitual das águas residuais fazendo um análise das possíveis consequências da sua descarga do mar. De seguida apresentam-se modelos matemáticos para a previsão do comportamento dos escoamentos, baseados na teoría sobre jactos e plumas. Esses moselos, par além do seu valor intrínseco, tornam-se um auxiliar precioso para o planeamento de acções de monitorização, ao permitirem uma estimativa prévia da localização e dimensões da pluma. Descrevem-se depois as técnicas tradicionais de monitorização e o VSA utilizado numa campanha de monitorização ao exutor submarino de S. Jacinto (Aveiro) realizada em Julho de 2002. Após a descrição das condições ambientais típicas desde exutor submarino, são apresentadas com detalhe as varias etapas levadas a cabo nessa missão de monitorização, mostrando-se as aplicações de software desenvolvidas para o efeito. Finalmente termina-se mostrando os resultados obtidos relativos ao mapeamento da dispersão da pluma e sua diluição.

This content is only available as a PDF.